Topo
Blog do Barcinski

Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

Dez grandes momentos do filme sobre Quincy Jones na Netflix

André Barcinski

08/10/2018 05h59

Quincy Jones tem 85 anos e quase sete décadas de atuação marcante na história da música. Não conheço um músico vivo tão importante, eclético e influente.

Aos 14 anos de idade, Quincy tocava trompete em bandas de jazz; naquele mesmo ano, fez amizade com outro jovem fenômeno musical, um certo Ray Charles. Aos 18, Quincy entrou para a banda de Lionel Hampton, depois tornou-se um dos grandes arranjadores da música norte-americana, trabalhando com Louis Armstrong, Count Basie, Frank Sinatra, Dinah Washington, Peggy Lee, Sarah Vaughan, Dizzy Gillespie e muitos outros.

Do jazz e dos "standards", Quincy Jones pulou para o cinema e a música pop: foi indicado sete vezes ao Oscar por suas trilhas e canções para filmes; produziu "Off the Wall" (1979), "Thriller" ( 1982) e "B.A.D." (1987), de Michael Jackson, e comandou a gravação de "We Are the World", um dos compactos mais vendidos de todos os tempos.

Acaba de estrear na Netflix o documentário "Quincy", dirigido por Alan Hicks e pela filha de Quincy, Rashida Jones. Posso dizer, sem exagero, que nunca vi tantas cenas de arquivo impressionantes reunidas num só documentário musical. Se você gosta de música e da história da música dos séculos 20 e 21, não deixe de assistir.

Fiz uma seleção de dez cenas marcantes do filme:

Dr. Dre babando
Uma das primeiras cenas do filme mostra o rapper Dr. Dre entrando na casa de Quincy para entrevistá-lo e admirando a coleção de capas de discos de que Quincy participou, além de fotos com Michael Jackson, Nelson Mandela, Ray Charles, Paul McCartney, Frank Sinatra, Count Basie, Miles Davis e outros. Mas impagável é a cara de Dr. Dre quando vê a coleção de VINTE E SETE Grammys.

Um menino entre gigantes
Aos 18 anos, Quincy foi convidado para tocar trompete na banda do jazzista Lionel Hampton. O filme mostra um trecho de um show de 1951. Quincy conta que o racismo era tão intenso nos Estados Unidos, que nas excursões de ônibus da banda de Hampton os motoristas eram brancos, porque os músicos, todos negros, não podiam entrar nos restaurantes, e os motoristas precisavam trazer a comida para o ônibus.

Recordando amigos que partiram
Numa das cenas mais tristes do filme, Quincy Jones vai a uma cerimônia no Instituto Thelonius Monk, onde encontra velhos amigos da música, como o cantor Al Jarreau e o saxofonista Jimmy Heath, e recorda amigos que haviam morrido recentemente: "É um merda, meu chapa", diz Quincy e Jimmy Heath. "Nossos amigos estão morrendo como moscas: Louis Johnson, Lesley Gore, Clark Terry, George Duke, Joe Sample… é terrível".

A modéstia de quem sabe que não sabe tudo
Em 1957, depois de consagrado como arranjador de Ray Charles, Dinah Washington, Louis Armstrong e outros monstros, Quincy vai a Paris estudar orquestração com Nadia Boulagner, mentora de Igor Stravisnky e Leonard Bernstein. "Nadia me disse: 'Quincy, existem apenas 12 notas, e você precisa investigar o que todo mudo fez com essas notas'. Foi o que fiz: em Paris, participei de mais de 200 sessões com orquestras e aprendi muito."

Quincy quase morre no palco
Um tema recorrente no filme é a morte. No começo, Quincy aparece num hospital, depois de passar quatro dias em coma diabético. Ele recebe alta e, contrariando ordens médicas, passa a viajar o mundo todo participando de shows e debates. Num evento, ele sobe ao palco, diz à plateia que está muito cansado depois de viajar à Rússia, Abu Dhabi e Dubai, e sofre um ataque do coração na frente do público.

Frank Sinatra vs. o racismo
Quincy Jones tinha apenas 29 anos quando começou a trabalhar para Frank Sinatra, 18 anos mais velho e um astro consagrado. Mas os dois viraram grandes amigos e parceiros. E Quincy conta uma história emocionante sobre Sinatra: no início dos anos 1960, vários artistas negros, como Sammy Davis Jr., Harry Belafonte e Lena Horne, faziam grande sucesso em Las Vegas, mas tinham de jantar na cozinha, porque negros eram proibidos de freqüentar os salões. Quando Sinatra soube, ameaçou não trabalhar mais na cidade se os cassinos mantivessem a segregação. E a situação rapidamente melhorou.

Só músico fraquinho: Quincy, Count Basie e Frank Sinatra

A melhor banda do mundo
Em 1979, Quincy aceitou produzir o álbum "Off the Wall", de Michael Jackson, e convocou um time dos melhores músicos, compositores e técnicos de estúdio do planeta, incluindo o compositor Rod Temperton, o engenheiro de som Bruce Swedien, o teladista Greg Phillinganes, o baixista Louis Johnson (baixo), o baterista John Robinson, o trompetista Jerry Hay, e o percussionista brasileiro Paulinho da Costa. O filme traz imagens da gravação de "Off the Wall". Diz Quincy: "Michael era tão tímido que cantava de costas para mim, porque tinha vergonha da própria voz".

Jacko e Quincy com os oito Grammys de "Thriller". Foto: Doug Pizac

Moral pouca é bobagem
Às vésperas do importante show de inauguração do Museu Nacional de História e Cultura Afro-Americana, Quincy Jones se preocupa com algumas celebridades negras que não haviam confirmado presença, como o então Secretário de Estado, Colin Powell, e a apresentadora de TV Oprah Winfrey. Quincy não se desespera: pega o celular e liga diretamente para os dois: "Colin, meu amigo, sou eu. Então, você vem, certo?" Oprah e Powell comparecem, claro.

Assombrações da infância
Em 1989, Quincy visita, pela primeira vez em 45 anos, a casa onde morou com a família num bairro pobre de Chicago. O pai de Quincy era um delinquente e andava com uma turma de gângsteres; a mãe era esquizofrênica e foi levada de casa numa camisa de força quando o menino tinha sete anos de idade. Todas essas memórias ressurgem quando ele revisita a casa, e Quincy desaba num choro sentido. Ele conta que vivia de praticar pequenos furtos e que foi só aos 11 anos de idade que viu, pela primeira vez, uma pessoa branca.

Salário de fome
Uma das filhas de Quincy encontra, perdido numa mala, um velho álbum de fotos. Quincy revê as fotos pela primeira vez em décadas e encontra um recibo de arranjos musicais que fizera para Dizzy Gillespie, nos anos 1950. Valor recebido por arranjo: DOZE DÓLARES.

Visite meu site: andrebarcinski.com.br

Sobre o autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.