Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

Corinthians vs. Ponte Preta de 1977 era outro futebol

André Barcinski

05/05/2017 07h27


Quinta à noite a Bandsports exibiu um compacto com os melhores momentos de Corinthians vs. Ponte Preta, a decisão do campeonato paulista de 1977.

Foi um jogo marcante porque o Corinthians não ganhava um título há quase 23 anos e a vitória por 1 a 0, gol de Basílio, acabou com a chamada “fila” corintiana.

Foi muito divertido assistir ao jogo e perceber como o futebol mudou nesses 40 anos. Confira:

O condicionamento físico dos atletas era muito pior que o de hoje
Para um espectador acostumado ao futebol moderno, o jogo de 1977 certamente parece lento e sem intensidade. A marcação só ocorria atrás da linha de meio de campo, e os jogadores não tinham a mesma velocidade e força física de hoje. É nítida a diferença de força e velocidade nos cruzamentos dos laterais para a área e até nos tiros de meta batidos pelos goleiros.

O jogo era mais “pegado”
Talvez por causa da precariedade da transmissão de TV, que não capturava todos os lances em detalhes, os jogadores não hesitavam em usar de artifícios violentos e até desonestos. Durante a partida, houve uma série de chutes nas canelas, tapas e “tostões” (ou “paulistinhas”, como dizem alguns) distribuídos pelos jogadores nos adversários.

A transmissão de TV era simplória
O VT do jogo na Bandeirantes só tinha uma câmera, com uma visão panorâmica do gramado. Pelo menos na transmissão exibida ontem, não havia câmera atrás do gol. E o mais curioso: não havia replay. Nem o gol de Basílio foi repetido durante a transmissão. Naquela época, se você fosse ao banheiro no meio do jogo e perdesse um gol, teria de esperar até o fim do jogo para vê-lo.

Não havia “cera” dentro do campo. Já do lado de fora…
De um modo geral, não se via jogadores caindo no gramado e simulando contusões para ganhar tempo. No fim do jogo, com a Ponte pressionando pelo empate, o zagueiro do Corinthians, Ademir, leva um chute na barriga. O juiz Dulcídio Wanderley Boschilla não só não permite que a equipe médica atenda o jogador dentro do gramado, como ainda dá a mão e ajuda Ademir se levantar rapidamente. Em compensação, toda vez que a bola era chutada para fora do campo, demorava uma eternidade para voltar. No fim do jogo acontece uma cena engraçadíssima, em que um torcedor do Corinthians, sem camisa e de boné, segura a bola e não a entrega para o gandula.

O jogo teve um divertido clima de várzea
Era a final do campeonato paulista, mas, em alguns aspectos, lembrava um jogo em um campinho qualquer de subúrbio: atrás dos gols havia uma verdadeira muralha de pessoas (repórteres, radialistas, funcionários dos clubes, e até, tenho certeza, torcedores). Depois do gol de Basílio e das expulsões de Oscar (zagueiro da Ponte), e Geraldão (atacante do Corinthians), uma multidão invadiu o campo. Havia tanta gente de pé na frente do banco do Corinthians que o técnico Oswaldo Brandão viu o fim do jogo de pé em cima do banco. No fim do jogo, um rojão explode a poucos metros do goleiro do Corinthians, Tobias, mas o jogo continua como se nada tivesse ocorrido.

O Morumbi estava vibrante
Quase 87 mil pessoas com bandeiras, faixas e fogos de artifício. Como era a bonita a festa em nossos estádios.

Um ótimo fim de semana a todos.

Sobre o Autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o Blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Topo