Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

Há duas décadas, Metallica no Lollapalooza já era estranho

André Barcinski

15/03/2017 05h59


Em 1996, quando foi anunciada a escalação da sexta edição do festival Lollapalooza, nos Estados Unidos, muita gente chiou. O evento era um dos mais importantes da cena do rock alternativo no mundo, e as atrações principais costumavam ser bandas ligadas à cena “indie”, como Sonic Youth (1995), Smashing Pumpkins (1994) e Jane’s Addiction (1991).

Quando o então chefão do Lollapalooza, Perry Farrel, líder do Jane’s Addiction, anunciou que a atração principal daquela edição seria o Metallica, muitos o criticaram por ter “se vendido” ao rock comercial.

Eram outros tempos. Havia ainda um grande preconceito do público do Lollapalooza contra o “mainstream”, e reinava uma visão de que as bandas que costumavam se apresentar no evento – Sonic Youth, Ministry, Smashing Pumpkins, Beastie Boys, Hole, etc. – representavam o rock “alternativo”, embora não fossem bandas independentes há um bom tempo e estivessem todas assinadas com gravadoras tão imensas quanto a do Metallica.

Mas o fato é que a presença do Metallica significou o fim de uma era no Lollapalooza. Kurt Cobain havia se matado dois anos antes, e o reinado do “grunge” tinha acabado. A escalação do Metallica, junto a Soundgarden, Ramones, Rancid, Screaming Trees, Psychotica e os Monges Shaolin, foi considerada uma “apelação” de Perry Farrel, uma tentativa de atrair um outro tipo de público para o festival.

Fui a alguns shows daquela edição, até porque era a última turnê dos Ramones (aliás, os dois últimos shows dos Ramones em Nova York aconteceram no Lollapalooza, num horroroso estádio de futebol em Randall’s Island, em 10 e 11 de julho), e lembro que o clima não foi dos melhores. Havia uma nítida sensação de decadência, de que aquele evento já tinha visto dias mais felizes.

O festival do ano seguinte, com Orbital, Prodigy, Devo e Snoop Doggy Dogg, foi um fracasso tão grande que o Lollapalooza ficou seis anos parado. Voltou em 2003 e no ano seguinte foi cancelado por baixa venda de ingressos. O evento só voltaria a acontecer com regularidade em 2005, quando Farrell aliou-se a duas empresas imensas do setor de entretenimento, a produtora C3 e a agência Wiliam Morris. O Lollapalooza deixou de ser um evento itinerante e passou a ser realizado apenas em Chicago. Em 2011, passou a ter edições em outros países (Chile, Brasil, Argentina, Alemanha) e em 2014 foi comprado pela gigante Live Nation, uma das maiores empresas de entretenimento do planeta, dona de 300 arenas e teatros em todo o mundo, 850 estações de rádio nos Estados Unidos, e responsável pelo agenciamento de 350 artistas, incluindo Madonna, U2, Jay-Z e Shakira, além de dona da Ticketmaster, a maior empresa de venda de ingressos do mundo.

E hoje, o que representa o Metallica no Lollapalooza? Nada contra o Metallica, que é uma grande banda e tem uma carreira admirável, mas o Lollapalooza, embora ainda atraia multidões, não tem mais nenhuma relevância artística ou cultural. Ninguém vai ao festival para ver bandas novas, e ele perdeu totalmente o papel de “lançador” de novos nomes. Vale lembrar que foi no Lollapalooza que o grande público teve seus primeiros contatos com bandas como Pearl Jam, Rage Against the Machine, Cypress Hill, Nine Inch Nails e Tool.

O Lolla acontece em São Paulo nos dias 25 e 26 de março. As atrações principais são Metallica e Strokes. Um bom show para quem for.

Sobre o Autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o Blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Topo