Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

O homem que vendeu a pele como tela de pintura: quando a vida imita a literatura

André Barcinski

A "tela humana", Tim Steiner, e o artista Wim Delvoye

A “tela humana”, Tim Steiner, e o artista Wim Delvoye

Domingo o UOL publicou uma matéria sensacional (leia aqui) sobre o suíço Tim Steiner, que vendeu a pele das costas para que o pintor belga Wim Delvoye usasse como tela. A pintura/tatuagem foi vendida por meio milhão de reais para um colecionador de arte alemão, Rik Reinking. O contrato prevê que Steiner seja exibido de vez em quando em museus e que, ao morrer, a pele de suas costas seja enquadrada permanentemente e ocupe um lugar na coleção pessoal de Reinking.

A história é incrível, mas não é inédita. E os fãs do escritor galês Roald Dahl já a conhecem. Em 1952, Dahl publicou na revista “The New Yorker” o conto “Skin” (“Pele”), que antecipa em mais de 60 anos a história de Steiner.

Dahl (1916-1990) é mais conhecido como autor de clássicos juvenis como “Matilda”, “O Fantástico Sr. Raposo” e “A Fantástica Fábrica de Chocolate”, mas fez também 59 contos para adultos. Em 2015, escrevi sobre os contos de Dahl:

Estão entre as melhores histórias de suspense, terror e humor negro que já li. Se a sua praia é Edgar Allan Poe, Ambrose Bierce, Joseph Heller e os contos fantásticos de Maupassant e Monteiro Lobato, você vai se refestelar.

O escritor Roald Dahl

O escritor Roald Dahl

Um dos contos mais conhecidos, “Man from the South” (1948) foi adaptado várias vezes para TV e cinema, incluindo um episódio clássico da série “Alfred Hitchcock Presents” e o segmento de Quentin Tarantino no filme “Four Rooms”: num hotel, um jovem encontra um milionário excêntrico. O ricaço propõe um desafio: se o rapaz conseguir acender um isqueiro dez vezes seguidas, ganha um Cadillac; se não conseguir, perde o dedo mindinho da mão esquerda. O conto tem dez páginas e é aterrorizante.

As histórias de Dahl são perversas, estranhas e carregadas de sarcasmo. Seus personagens são pessoas aparentemente comuns, mas que escondem segredos terríveis. Em “Galloping Foxley”, um cavaleiro distinto reconhece, num vagão de trem, o sádico companheiro de escola que o torturava meio século antes; em “Skin”, um mendigo é “disputado” por colecionadores de arte quando descobrem que ele tem tatuada nas costas uma obra de um famoso pintor.

Nem todas as histórias são violentas: em “Parson’s Pleasures”, um colecionador de móveis antigos descobre uma cadeira raríssima na casa de um caipira e tenta enganar o matuto, oferecendo uma ninharia pela peça. O final é dos mais surpreendentes e engraçados.

A vida de Dahl foi tão peculiar quanto seus contos. Ele foi piloto da força aérea britânica na Segunda Guerra e participou de combates na África e Grécia. Alguns anos depois do fim da guerra, o escritor C.S. Forester foi entrevistá-lo para uma reportagem sobre combate aéreo e pediu que Dahl escrevesse algumas linhas sobre suas experiências. Forester ficou tão impressionado pela qualidade do texto que pediu aos editores que o publicassem sem mudanças. Foi assim que Roald Dahl virou escritor.

Seus contos são narrados em linguagem econômica e sem floreios, mas absolutamente perfeitos em sua simplicidade. Não há uma vírgula a mais do que deveria e nenhum adjetivo em excesso ou fora de lugar. Escrever tão bem e de forma tão simples deve dar um trabalho medonho. Não é à toa que Dahl costumava levar seis meses para terminar um conto.

Fiz uma busca no site Estante Virtual e achei só um volume de contos de Roald Dahl disponível no Brasil: “Beijo”, lançado em 2007 pela editora Barracuda (infelizmente, a editora não concretizou os planos de lançar outros três volumes).

“Beijo” traz onze histórias, incluindo algumas das melhores do autor, como “O Caminho para o Céu”, sobre uma mulher atormentada pelo risco de chegar atrasada a qualquer compromisso; “William e Mary”, sobre um cientista que convence um amigo, condenado à morte por uma doença fulminante, a doar seu cérebro para um experimento, e “Porcos”, considerada por muitos a obra-prima de Dahl, uma trama macabra sobre um menino criado pela tia, uma vegetariana radical.

Em “Skin” (infelizmente não incluído na coletânea lançada no Brasil), Dahl conta a história de Drioli, um mendigo que anda pelas ruas de Paris, em 1946. Certa tarde, ele para em frente a uma galeria de arte onde está acontecendo a abertura de uma exposição. Na vitrine vê um quadro e reconhece a cena. Ela havia sido pintada, décadas antes, por um velho amigo, Chaim Soutine.

Drioli entra na galeria e fica maravilhado ao rever obras de Soutine. Os dois se conheceram em 1913, quando Soutine era um jovem artista e Drioli, um conhecido tatuador. Com a Primeira Guerra Mundial, os dois se separaram e nunca mais se viram. Drioli descobre que o amigo morrera em 1943 e se tornara um pintor celebrado.

O visual esfarrapado de Drioli atrai a atenção dos esnobes que tomam champanhe na galeria, e o dono do local tenta expulsá-lo. Enfurecido, Drioli arranca a camisa e exibe, para espanto de todos, suas costas, cobertas por uma paisagem de Soutine, tatuada durante uma noite regada a muitas garrafas de vinho.

A revelação de uma obra inédita de Soutine provoca um leilão na galeria: marchands e colecionadores oferecem fortunas a Drioli para exibi-lo em museus e hotéis de luxo. Um ricaço promete uma quantia exorbitante se Drioli aceitar vender a pele de suas costas, que seria emoldurada depois que ele morresse.

O final, a exemplo de vários contos de Roald Dahl, é dos mais perversos e macabros. Não vou contar para não estragar a surpresa. Só espero que o mesmo não aconteça com Tim Steiner.

Sobre o Autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o Blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Topo