Topo
Blog do Barcinski

Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

Filme revela a arte de John McEnroe, gênio do tênis

André Barcinski

03/10/2018 05h59

Tive a sorte de estar em Nova York na semana em que o cineclube Film Forum exibiu um dos melhores documentários que vi em muito tempo: "John McEnroe: in the realm of perfection", do francês Julien Faraut.

O filme não é exatamente um documentário sobre John McEnroe, mas um relato da participação dele no Aberto de Tênis da França, em Roland Garros, em maio e junho de 1984.

E por que o ano de 1984 foi tão importante na carreira de John McEnroe?

Simples: porque, naquele ano, Big Mac era imbatível. Ou quase: em 1984, ele atingiu a marca de 96,5% de vitórias, ganhando 82 jogos e perdendo apenas 3, o maior percentual de vitórias desde 1925, quando Bill Tilden perdeu apenas um de 79 jogos.

Mais que isso: McEnroe, aos 25 anos, estava no auge da forma e vinha jogando um tênis sublime, destruindo adversários com seu ágil e inventivo jogo de saque-e-voleio.

Para quem não acompanha tênis, vale dizer que John McEnroe era uma espécie de Garrincha das raquetes. Ele não tinha a força física de Ivan Lendl ou a paciência de Bjorn Borg, mas era um esteta, capaz das jogadas mais absurdamente geniais e imprevisíveis.

Em 1984, McEnroe chegou a Roland Garros como o número 1 do mundo e com uma invencibilidade de 42 jogos. Naquele ano, McEnroe venceria 13 torneios.

Na final de Roland Garros, McEnroe estava dominando completamente o jogo contra o tcheco Ivan Lendl: abriu dois sets a zero, 6-3 e 6-2, e jogava uma barbaridade, quando de repente começou a errar os saques, deu fôlego a Lendl, e permitiu uma virada histórica. "Até hoje eu tenho pesadelos com aquele jogo e penso em como minha vida poderia ter sido diferente caso eu tivesse vencido", conta McEnroe.

Big Mac Perdeu em Roland Garros (aliás, nunca venceria o torneio), mas se redimiu com demolições de Jimmy Connors em Wimbledon e do próprio Ivan Lendl no U.S. Open.

O filme de Julien Faraut usa como base um material fantástico filmado por outro francês, Gil de Kermadec. Por mais de 20 anos, Kermadec filmou o torneio de Roland Garros para fazer filmes de instrução sobre tênis. A cada ano, o cineasta apontava três câmeras para um único jogador com o objetivo de mostrar, em detalhes, sua técnica e movimentos. Em 1984, ele escolheu John McEnroe.

Faça um favor a você mesmo, tire uma folguinha de 54 minutos e assista a "Roland Garros avec John McEnroe" (1984), de Gil de Kermadec:

Kermadec analisa o estilo de John McEnroe: seu bizarro saque com as costas para a quadra, seus mortais voleios perto da rede, e seu golpe mais bonito, o "drop shot", em que ele finge que vai atingir a bola com força, mas tira o peso da raquete e faz a bola cair, mansamente, próxima à rede.

Vejam essa sequência antológica de "drop shots":

Outro aspecto interessante do jogo de McEnroe, e explorado a fundo no filme de Faraut, era sua mania de discutir com árbitros e público. Tanto Faraut quanto Kermadec concluem que McEnroe não fazia isso de pirraça, mas como forma de ganhar confiança, porque tinha uma personalidade forte e seu jogo melhorava em situações de tensão. Ele antagonizava a plateia e virava o "vilão" da quadra, mas isso só aumentava sua concentração e poder de fogo. Quando McEnroe brigava com árbitros, a impressão da plateia – e, mais importante, dos adversários de McEnroe – era de que o jogador havia perdido a concentração. Na verdade, ele estava mais focado do que nunca.

Espero que algum festival exiba "John McEnroe: in the realm of perfection" por aqui.

Visite meu site: andrebarcinski.com.br

Sobre o autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.