Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

Medo, caos e um professor de capoeira: como o Portishead fez sua obra-prima

André Barcinski

16/04/2018 05h59


Há dez anos, em abril de 2008, o grupo britânico Portishead lançava seu terceiro – e até agora, último – LP: “Third”.

O disco abria com uma enigmática narração em português: “Esteja alerta para a regra dos três. O que você dá retornará para você. Essa lição você tem que aprender. Você só ganha o que você merece”.

A frase, gravada por Claudio Campos, um brasileiro professor de capoeira radicado em Bristol, cidade do Portishead, refere-se à “Lei Tríplice”, ou “Lei dos Três”, base da religião neopagã Wicca: “Tudo que fizeres voltará em triplo para ti”.

Parece estranho, e é mesmo. Aliás, nada do que o Portishead faz é muito normal.

Quando lançou “Third”, a banda estava sem gravar há mais de uma década. Depois do sucesso de “Dummy” (1994) e “Portishead” (1997), discos que praticamente inventaram o trip hop, o baterista e compositor Geoff Barrow sumiu de cena, dizendo-se esgotado física e artisticamente.

Barrow parecia ter chegado a um impasse: com o Portishead, havia criado um som novo, uma mistura de eletrônica, ambient e hip hop, mas, fiel a seus princípios experimentalistas e inovadores, não queria se repetir e tinha medo de soar redundante. Gravar outro disco como “Dummy” estava fora de questão.

O processo de criação de “Third” levou pelo menos seis anos. Trancada em seu estúdio em Bristol, a banda experimentou de tudo: músicos trocaram de instrumentos, testaram sintetizadores antigos e fizeram longas sessões de improvisos, onde a ordem era se arriscar no que não haviam feito. Foi um caos programado. Durante o processo, mergulharam nos sons repetitivos e mântricos do krautock de bandas alemãs como Neu! e Can, e nas trilhas sonoras dos filmes de terror de John Carpenter e Dario Argento.

O resultado foi “Third”, um disco que abria mão da sonoridade pela qual o Portishead era conhecido e se aventurava em novos caminhos. Para mim é um dos discos mais impactantes e arrebatadores da última década. Amo a produção espartana e com os instrumentos soando “separados” na mixagem, como se cada integrante estivesse tocando uma música diferente. Nisso, Barrow claramente se inspirou nas produções de Martin Hannett para o Joy Division.

Depois de “Third”, nunca mais consegui ouvir “Glory Box”, “Numb”, ou nenhuma música dos discos anteriores do Portishead, que passaram a soar como trilha sonora de lounge.

No fim de 2007, a banda participou do festival All Tomorrow’s Parties, na Inglaterrra. Foi o primeiro show do Portishead em dez anos, e a primeira vez que a banda tocava músicas do novo trabalho. Veja aqui a versão de “We Carry On”.

Um dos presentes àquele show foi Serge Pizzorno, guitarrista do grupo Kasabian. Veja o que ele disse sobre a experiência:

“Eu fui ao show e alguém me deu ketamina, que eu nunca havia experimentado. Foi insano. Eles tocaram ‘Machine Gun’ e eu tive um momento de: ‘Isso é o futuro!’. Era tudo tão minimalista, com aquele incrível som de sintetizador de John Carpenter. Meus joelhos tinham virado geléia, havia luzes estroboscópicas. Eu pude vislumbrar um som, e precisava daquele álbum naquele minuto, mas tive de esperar seis meses, e quando chegou, ficou no repeat por um tempão. É uma aventura, e muito assustadora. Geoff Barrow é um produtor de extremo bom gosto, que sempre toma as decisões corretas. Ali posso ouvir Lalo Schifrin, Silver Apples, Hawkwind, coisas e atmosferas que amo. Tudo cria essa sensação e essa atmosfera: a edição angulosa, o uso de sintetizadores modulares, as afinações bizarras (…) E a voz de Beth Gibbons é a peça que torna tudo tão único. Ela é como um anjo-folk-druida. Você sente a dor naquilo, sua voz é uma arma, é puro mistério (…) O disco é uma obra de arte e uma afirmação de propósito, uma lição para você nunca se desviar de seu caminho (…) O disco me amedronta, e eu o amo por isso.”

Sobre o Autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o Blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Topo