Blog do Barcinski

Categorias

Histórico

Por favor, alguém dê logo um Oscar para Isabelle Huppert!

André Barcinski

Desperdício é ficar dez anos sem um filme novo de Paul Verhoeven.

Conhecido por filmes como “Robocop” (1987), “Instinto Selvagem” (1992) e “Tropas Estelares” (1997) – e também pelo abacaxi “Showgirls” (1995), o melhor filme trash de todos os tempos – o cineasta holandês volta agora com uma de suas melhores obras, “Elle”.

Não é fácil definir o estilo de Verhoeven. Sempre achei seus filmes exercícios criativos de “exploitation”, um tipo de cinema comumente associado a filmes B, apelativos, eróticos e violentos, mas também dotados de um humor negro e bem peculiar.

A exemplo de Brian De Palma e dos primeiros filmes de Oliver Stone – só para citar dois cineastas que também curtem uma “apelação” – Verhoeven faz filmes muitas vezes exagerados e imprevisíveis, em que os personagens não se comportam como se espera deles e agem de forma estranha e impulsiva. Os enredos de seus filmes, não raro, parecem mal escritos, de tão incomuns e fora da curva.

Em “Elle”, Verhoeven parte de uma história de vingança para criar uma teia complexa de personagens sombrios, esquisitos e inesquecíveis.

Isabelle Hupert faz Michelle Leblanc, dona de uma empresa que cria videogames sanguinolentos. Michelle é atacada por um homem mascarado, que a estupra.

Ela conta o ocorrido a alguns amigos, mas não se queixa à polícia. E por uma boa razão: Michelle tem em seu passado um segredo terrível envolvendo um medonho assassinato em série. Tudo que ela quer da polícia é distância.

Ela começa a investigar a identidade do estuprador. Os suspeitos são muitos: o criminoso pode ser qualquer um dos jovens programadores de games que trabalham em sua firma, seu ex-marido, ou até seu amante, marido de sua melhor amiga. Para engrossar ainda mais a lista, surge um vizinho, um banqueiro bonitão por quem Michelle é atraída.

A casta de personagens estranhos inclui ainda a mãe de Michelle, uma coroa entupida de Botox, noiva de um garoto de programa, e o filho de Michelle, um rapaz problemático, casado com uma ninfomaníaca aproveitadora. No centro de tudo, temos Isabelle Huppert em seu melhor papel desde o fantástico “A Cerimônia” (1995, que no Brasil recebeu o título ridículo de “Mulheres Diabólicas”), de Claude Chabrol (se você ainda não viu esse “thriller”, sugiro fazê-lo hoje mesmo).

A exemplo de todos os filmes que vi de Verhoeven, “Elle” mistura passagens sombrias com outras hilariantes. A perseguição do criminoso a Michelle é filmada com precisão hitchcockiana e muitos sustos; no meio, Verhoeven cria uma sequência de parto antológica, que é puro Monty Python. Assista.

Um ótimo final de semana a todos.

Sobre o Autor

André Barcinski é jornalista, roteirista e diretor de TV. É crítico de cinema e música da “Folha de S. Paulo”. Escreveu seis livros, incluindo “Barulho” (1992), vencedor do prêmio Jabuti de melhor reportagem. Roteirizou a série de TV “Zé do Caixão” (2015), do canal Space, e dirigiu o documentário “Maldito” (2001), sobre o cineasta José Mojica Marins, vencedor do Prêmio do Júri do Festival de Sundance (EUA). Atualmente dirige os programas “Eletrogordo” e “Nasi Noite Adentro”, do Canal Brasil.

Sobre o Blog

Música, cinema, livros, TV, e tudo que compõe o universo da cultura pop estará no blog, atualizado às segundas, quartas e sextas.

ID: {{comments.info.id}}
URL: {{comments.info.url}}

Ocorreu um erro ao carregar os comentários.

Por favor, tente novamente mais tarde.

{{comments.title}}

{{comments.total}} Comentário

{{comments.total}} Comentários

Seja o primeiro a comentar

{{subtitle}}

Essa discussão está encerrada

Não é possivel enviar novos comentários.

{{ user.alternativeText }}
Avaliar:
 

* Ao comentar você concorda com os termos de uso. Os comentários não representam a opinião do portal, a responsabilidade é do autor da mensagem. Leia os termos de uso

Escolha do editor

{{ user.alternativeText }}
Escolha do editor

Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Blog do Barcinski
Topo